Informativo

Está com dúvida? Veja aqui as perguntas mais frequentes.


1. O que sabemos, até o momento, sobre a correlação entre o vírus Zika e a Síndrome de Guillain-Barret (SGB)?

Na década de 50 foi demonstrada a associação entre Zika vírus e manifestações neurológicas em modelo animal[1] e na década de 70 Bel et al demonstraram o comprometimento do sistema nervoso central (SNC) de ratos por Zika vírus.[2] Há registro de manifestações neurológicas associadas com processos infecciosos pelo Zika vírus desde 2007, especialmente após os surtos ocorridos na região da Micronésia e Polinésia Francesa.[3,4,5,6]

A associação entre Síndrome de Guillain-Barret (SGB) e Zika vírus, entretanto, foi descrita durante surto na Polinésia Francesa em 2013 por Oehler et al em 2014. [7] Uma paciente desenvolveu SGB sete dias após o início de sintomas compatíveis com quadro clínico de Zika vírus (Veja o quadro 1).  No oitavo dia após o início dos sintomas virais, antes do início do tratamento foi realizada reação da transcriptase reversa, seguida de reação em cadeia da polimerase (RT-PCR) que foi negativa para Zika vírus e Dengue e pesquisa do antígeno da proteína NS1 que também foi negativo para Dengue. Foram descartados outros agentes infeciosos. Amostras de sangue foram colhidas no oitavo dia e vinte e oito dias após o início dos sintomas virais.  Ambas foram positivas para anticorpos da classe IgM e IgG para Zika vírus e Dengue usando o teste de ELISA e captura de anticorpos IgM por MAC-ELISA in house.

2. Qual a apresentação típica da Síndrome de Guillain-Barré?

Síndrome de Guillain-Barré é uma polineuropatia imune mediada que provoca quadro de paralisia flácida aguda. É uma manifestação neurológica associada a diversas condições clínicas, desde as infecciosas, auto-imunes até eventualmente neoplásicas. Entre as causas infecciosas as infecções virais e bacterianas são as mais importantes. Em dois terços dos casos de SGB há relato de infecção respiratória ou intestinal precedendo início dos sintomas de SGB.[13,14]

3. Como é feita a confirmação diagnóstica?(Zika Virus)

O diagnóstico etiológico é realizado por meio da reação da transcriptase reversa, seguida de reação em cadeia da polimerase (RT-PCR), considerada referência laboratorial para o diagnóstico da infecção por Zika vírus. [15-17] O período virêmico não está completamente estabelecido, o RNA viral tem sido detectado no soro geralmente em um período curto de cinco dias, tendo sido detectado também na urina por um período superior a 10 dias, até 14 dias em um estudo brasileiro e na saliva e no sêmen.18-21 Contudo, até que mais estudos sejam conduzidos, recomenda-se que espécimes clínicos como amostras de sangue, urina e líquor sejam coletados durante os primeiros quatro dias após início dos sintomas. A pesquisa de Imunoglobulina da classe IgM por método de ELISA ou imunofluorescência e o teste de anticorpos neutralizantes devem ser executados em espécimes coletados > 4 dias após o aparecimento da doença por Zika vírus. [15-17]Anticorpos da classe IgM normalmente persistem por cerca de 2-12 semanas.[15-17]

4. Qual o tratamento preconizado para a síndrome isoladamente? (Guillen Barree)

Primeiramente o tratamento de suporte é fundamental, especialmente no aspecto ventilatório. Ao lado disso, controle dos sintomas, particularmente da dor, é primordial durante toda a evolução da doença.

Em relação ao tratamento específico, as opções de tratamento são imunoglobulina humana endovenosa e plasmaférese. Idealmente, ambos devem ser realizados nas duas primeiras semanas de evolução, quando apresentam melhor resposta ao tratamento. [14, 22]

A escolha da modalidade terapêutica depende das condições do paciente e do custo envolvido. Estudos não evidenciaram diferença significativa na resposta a longo prazo entre uso de imunoglobulina e plasmaférese. Em pacientes com instabilidade hemodinâmica, a plasmaférese pode ser limitante uma vez que o risco da piora da instabilidade durante o procedimento pode aumentar. Por outro lado, em pacientes com função cardiopulmonar limítrofe, a administração de imunoglobulina pode levar à descompensação respiratória. [22]

O tratamento combinado de plasmaférese seguida de imunoglobulina não é recomendado uma vez que não há evidências na literatura que demonstre benefício desta combinação quando comparados aos tratamentos isolados.[22]

A associação de imunoglobulina e corticosteroide, embora com benefício a curto prazo e bastante utilizada na fase inicial da doença, não mostrou ser superior ao tratamento isolado com imunoglobulina.

A atividade física limitada no tempo livre pode ter um benefício em termos de mortalidade?

Um estudo analisou os resultados agrupados de 11 coortes recrutadas da população geral (isto é, aproximadamente 63.500 pacientes e 560.000 pacientes-ano) e mostrou uma redução significativa (de 20% para 40%, de acordo com os critérios) do risco relativo de mortalidade por todas as causas, por causas cardiovasculares e por câncer em comparação a sujeitos sedentários. De maneira notável, o benefício dessa AF limitada (insuficiente) pareceu ser quase comparável ao da AF com a intensidade recomendada pelas diretrizes.

A menor pressão arterial é melhor no diabetes tipo 2?

No EXAMINE, um estudo de desfechos cardiovasculares (CV) de> 5300 pacientes com DM2 e SCA recente, SBPs <130 mmHg e PAD ≤ 71 mmHg foram associados a um risco significativamente maior de ECVM em comparação com SBPs de 131-140 mmHg e DBPs de 81 a 90 mm Hg. (MACE foi definido como um composto de morte resultante de causas CV, infarto do miocárdio não fatal e acidente vascular cerebral não fatal.) Índices de risco ajustados para outros desfechos, incluindo o composto de morte CV ou insuficiência cardíaca, foram significativamente maiores em pacientes com SBPs <130 mm Hg e DBPs <80 mm Hg.Esses resultados sugerem que o controle intensivo da PA em pacientes com DM2 e doença cardíaca isquêmica pode causar danos. Mais pesquisas são necessárias para investigar esses achados.

A parada de aspirina é perigosa?

Explicação

Em uma coorte sueca de> 600.000 pessoas que usaram aspirina para prevenção CV primária e secundária, aqueles que descontinuaram a terapia apresentaram uma taxa de eventos CV de 37% 

A redução profunda do LDL-C com evolocumab reduz significativamente o risco isquêmico no PAD | AHA

Apesar da terapia com estatina, os pacientes com doença arterial periférica (PAD) permanecem em risco isquêmico aumentado.
A redução profunda do LDL-C com evolocumab significativamente e com segurança reduz esse risco isquêmico.

Artrite reumatoide: será que pacientes em remissão deveriam parar de tomar o tratamento com inibidores do TNF?

Segundo uma nova pesquisa, interromper os caros inibidores do fator de necrose tumoral (inibidores do TNF) no caso de pacientes com artrite reumatoide (AR) em remissão ou cuja doença apresente baixa atividade, pode economizar um valor considerável, mas resulta em pequena perda de anos de vida ajustados pela qualidade (quality-adjusted life years, QALYs).

Para o estudo, os pesquisadores examinaram dados do estudo sobre a potencial otimização de conveniência e eficácia do inibidores do TNF (Potential Optimalisation of Expediency and Effectiveness of TNFis, POET), que foi realizada em 47 centros na Holanda. Os pacientes foram randomizados para o grupo de interrupção (n = 531) ou o grupo de continuação (n = 186). Os pacientes foram examinados na avaliação basal e pelo menos uma vez a cada três meses, daí em diante, por um período de um ano. A reintrodução de um inibidor do TNF era permitido na ocorrência de um surto.

Os autores observaram que em comparação a continuar usando inibidores do TNF, sua interrupção em pacientes com AR apresentando atividade baixa e estável da doença foi associada, em média, a uma economia de € 7.133, uma perda de QALYs de 0,022, e um aumento de surtos de 0,41 por paciente por ano.

Ao apresentar seus achados no periódico Arthritis & Rheumatology , os autores disseram que os achados, juntamente com as conclusões de outros estudos recentes sugerem um potencial significativo para “liberar recursos que poderiam ser realocados para outras intervenções mais viáveis economicamente”.

As estatinas para cardioprevenção estão sendo prescritas de forma excessiva?

Especialistas sugerem que as diretrizes atuais não levam em conta o risco de efeitos colaterais.

Achados de um novo estudo levaram seus autores a sugerir que as estatinas podem estar sendo excessivamente prescritas para cardioprevenção. Apesar das diretrizes frequentemente recomendarem o uso de estatinas na prevenção primária da doença cardiovascular (DCV), se o risco em 10 anos exceder 7,5 a 10%, os autores sugerem que o número de pessoas com recomendação para tomar estatinas poderia ser significativamente diminuído. 

Pesquisadores na Suíça realizaram um estudo quantitativo de modelagem do saldo benefício-prejuízo relativo ao uso de estatinas na prevenção primária da DCV em indivíduos entre 40 e 75 anos, sem histórico de eventos de DCV. 

Eles observaram ser provável que as estatinas ofereçam benefícios líquidos em limiares de risco maiores do que aqueles mencionados pela maioria das diretrizes. Homens mais jovens apresentaram benefício líquido com um menor risco para DCV em 10 anos em comparação a homens mais velhos (14% para idades entre 40 a 44 anos vs. 21% para idades entre 70 e 75 anos). Em mulheres, o risco necessário para alcançar um benefício líquido foi maior (17% para idades entre 40 e 44 anos vs. 22% para idades entre 70 e 75 anos). 

Dos quatro preparados de estatinas examinados, atorvastatina e rosuvastatina apresentaram um saldo benefício-prejuízo significativamente melhor do que sinvastatina e pravastatina. 

Os achados foram publicados no periódico Annals of Internal Medicine . 

Aspirina para prevenção primária de eventos cardiovasculares: Qual sua eficácia?

Uma análise sistemática de estudos clínicos randomizados mostrou que a aspirina administrada, em qualquer dose, na prevenção primária de eventos cardiovasculares está associada a uma redução significativa do IM não fatal (mas não do AVC ou mortalidade por todas as causas) e que este efeito é mais significativo em indivíduos idosos. Esse efeito pode ser mantido se a aspirina for administrada em uma doses muito baixa (≤ 100 mg/dia). Os autores destacam que a evidência atualmente disponível é heterogênea e limitada, particularmente com relação à identificação de subgrupos que podem se beneficiar mais da aspirina para prevenção primária.

É cardiomiopatia periparto?

  • A cardiomiopatia periparto (PPCM) foi diagnosticada em 4% dos pacientes que relataram sintomas de dispneia.

Por que isso importa

  • Aumentar a conscientização sobre esta doença pode ajudar a facilitar a detecção precoce.
  • A dispnéia na gravidez é comum, tornando o diagnóstico de um diagnóstico desafiador.

Resultados chave

  • 56% dos pacientes com dispnéia foram diagnosticados com dispnéia fisiológica da gravidez, 13% tiveram infecções do trato respiratório, 10% tiveram asma, 6% tiveram anemia grave e 4% preencheram os critérios para PPCM.
  • Pacientes com PPCM tiveram maiores freqüências cardíacas (104,6 vs 85,5 batimentos / minuto; P = 0,038), contagem de glóbulos brancos (11,5 × 10 9 / L vs 9,3 × 10 9 / L; P = 0,001), C de alta sensibilidade proteína -reactiva (38,8 vs 11,8 mg / L; P <0,001), e peptídeo natriurético tipo-B (710,6 vs 102,2 pg / mL; P <0,001) em comparação com os pacientes controle.
  • Os pacientes com CPPM apresentaram menor pressão parcial dos valores de oxigênio arterial (65,5 vs 87,9 mmHg; P <0,001) e fração de ejeção do ventrículo esquerdo (32,4% vs 56,8%; P <0,001) em comparação com os pacientes controle.

É compulsivo beber?

≥4 bebidas para mulheres ou ≥5 bebidas para homens em uma ocasião

Bupropiona, vareniclina: quais os riscos para pacientes com histórico de transtornos psiquiátricos?

Um estudo randomizado controlado comparou a segurança de 12 semanas de tratamento para parar de fumar com bupropiona (150 mg x 2/dia), vareniclina (1 mg x 2/dia), adesivo transdérmico de nicotina (21 mg/dia, seguido por redução das doses) ou placebo e mostrou que a incidência de EANP graves foi comparável em todos os quatro grupos. Entretanto, foi de modo geral mais alta do que em outra coorte de 4.000 sujeitos sem histórico de transtornos psiquiátricos que foram tratados de modo idêntico.

Canakinumab provoca reduções significativas nos principais eventos coronários e morte na ACS | AHA

  • Demonstrando ainda a hipótese de inflamação da aterosclerose, o canakinumab foi associado a reduções significativas em eventos coronários maiores, morte cardiovascular (CV) e mortalidade geral em pacientes com síndrome coronariana aguda (SCA).

Por que isso importa

  • In the CANTOS trial reported earlier this year, the anti-inflammatory agent canakinumab was associated with 15% to 17% reductions in CV event rates with no change in lipids.
  • Mas foi incerto quais os grupos de pacientes que se beneficiaram mais e se as reduções de risco acompanharam a magnitude da inibição da inflamação.

Deficiência de vitamina D: efeitos cognitivos?

Explicação

A deficiência de vitamina D foi associada à diminuição da velocidade de processamento e fluência verbal, de acordo com um recente estudo transversal de 225 pacientes noruegueses com transtorno psicótico e 159 pacientes com controle saudável. Não foi associado à diminuição da aprendizagem verbal.

Nerhus M, et al. J Clin Psychiatry. 2017; 78 (7): e750-e757.

Diverticulite: há um risco associado à ingestão de carne?

Um estudo de coorte incluiu dados de 46.500 homens monitorados entre 1986 e 2012 (652.000 pacientes-ano) e demonstrou que o risco de D incidental está correlacionado com a ingestão de uma quantidade significativa de carne vermelha (risco relativo = 1,6 no 5o quintil vs. o 1o quintil), mas não com a ingestão de carne de aves, peixes ou carnes processadas. O aumento do risco não é linear e se estabiliza na dose de 6 porções/semana.

DPOC: seria a terapia tripla superior à terapia dupla?

  • A terapia tripla de inalação única diária com furoato de fluticasona + umeclidínio + vilanterol foi associada a uma redução de 15% na taxa de exacerbações moderadas a graves da DPOC em comparação ao furoato de fluticasona + vilanterol e a uma redução de 25% em comparação ao umeclidínio + vilanterol.
  • A terapia tripla mostrou uma redução significativa na taxa de hospitalizações por exacerbações da DPOC em comparação ao umeclidínio + vilanterol.

Por que isto importa?

  • Evidências apoiando o incremento para um tratamento inalatório triplo são fracas.
  • Os achados contradizem o estudo clínico FLAME, que relatou que a combinação de antagonista muscarínico de longa duração - β2-agonista de longa duração (long-acting muscarinic antagonist-long-acting β2-agonist, LAMA–LABA) foi superior à combinação de glicocorticoide–LABA inalatório na prevenção de exacerbações.

Macrófagos: novos jogadores no envelhecimento cardíaco?

O envelhecimento é um grande risco para todas as doenças do miocárdio e somos todos portadores desse fator de risco. Portanto, o coração senescente tem sido foco de pesquisa cardiovascular há muitos anos e já se sabe muito sobre as conseqüências finais do envelhecimento: Morfologicamente, o coração apresenta níveis mais elevados de fibrose, perda de cardiomiócitos por apoptose e necrose, bem como hipertrofia da doença. cardiomiócitos remanescentes. 1 Essas mudanças estruturais agravam o resultado de quase todas as patologias cardíacas, incluindo fibrilação atrial e insuficiência cardíaca, e potencialmente precipitam esses dois distúrbios comuns. Além do aumento da rigidez arterial e das pressões sangüíneas sistólicas mais altas, levando à exaustão do coração que está envelhecendo, descobriu-se que uma inflamação auto-imune estéril causa as mudanças estruturais.2Funcionalmente, o coração senescente, mas saudável, apresenta bom desempenho nas condições basais, mas perde a capacidade de se adaptar a demandas mais elevadas durante o exercício ou o estresse. Isso se torna mais óbvio em relação à diminuição da capacidade de aumentar a frequência cardíaca e a contratilidade, o que pode ser explicado por uma reação atenuada à estimulação adrenérgica 3 devido a uma resposta funcional globalmente diminuída e menor sensibilidade à noradrenalina (NA). 4 Além disso, o coração compreende menores quantidades de NA na senescência, 5 , 6 que até o momento foi atribuído a uma perda líquida nos nervos liberadores de NA. 7

Miocardite: muito mais comum que pensamos?

  • A triagem sistemática com ressonância magnética cardíaca (RMC) em pacientes com dor torácica inexplicada e elevação da troponina detectou múltiplos casos de miocardite não suspeitos em um hospital terciário suíço.
  • Editorial : resultados ", se confirmado, provavelmente irá mudar nossa visão da doença."

Por que isso importa

  • A miocardite não tratada pode ser fatal, mas muitas vezes o diagnóstico é perdido.

Nosso risco de câncer seria determinado pela nossa infância?

Crianças nascidas de pais com alta posição ocupacional têm um risco maior de desenvolver melanoma, câncer de próstata e câncer de mama posteriormente na vida. Enquanto, mulheres nascidas em regiões de menor nível socioeconômico apresentam risco aumentado de desenvolver câncer invasivo de colo de útero. 

Esses achados foram feitos por pesquisadores examinando como a situação socioeconômica (SSE) pode estar associada a diferentes riscos de câncer posteriormente na vida. O estudo avaliou dados de indivíduos nascidos em dois condados de Utah entre 1945 e 1959. Os dados demográficos estavam ligados a informações sobre a incidência de câncer catalogados no registro de câncer de Utah (Utah Cancer Registry).

O autor sênior Ken Smith, disse que as informações poderiam ser usadas para identificar indivíduos com maior risco de câncer com base na sua situação socioeconômica ao nascimento e, “de modo ideal, trabalhar para encontrar estratégias para ajudá-los a manejar seu risco de câncer quando adultos".
Os autores reconhecem que a associação entre a SSE e o câncer de mama, colo de útero e próstata podem refletir diferenças da SSE na participação na triagem de câncer. Eles também disseram que a importância de períodos críticos no desenvolvimento da criança pode ser afetada pela exposição e condições de vida que podem resultar na fundação da saúde posterior e contribuir para as diferenças sociais no risco de câncer.

O consumo moderado de álcool: há um impacto cognitivo?

Um estudo observacional britânico monitorou 550 adultos (mulheres e homens, idade média de 43 anos na avaliação inicial) por 30 anos e mostrou que o consumo de 14 a 21 unidades por semana está associado a alterações nas medidas estruturais do cérebro (especialmente atrofia do hipocampo) e em alguns desempenhos cognitivos (fluência verbal) em comparação a abstêmios (< 1 unidade/semana). O consumo de 1 a 13 unidades/semana não teve um efeito nocivo nem efeito protetor.

O exercício pode ser um tratamento para transtornos mentais?

Sabe-se que o exercício está associado à redução do risco de mortalidade por todas as causas, doença cardiovascular, acidente vascular cerebral e diabetes, mas sua associação com a saúde mental ainda não está clara. Nosso objetivo foi examinar a associação entre o exercício e a carga de saúde mental em uma grande amostra e compreender melhor a influência do tipo de exercício, frequência, duração e intensidade.

Métodos

Neste estudo transversal, analisamos dados de 1 237 194 pessoas com 18 anos ou mais nos EUA a partir de 2011, 2013 e 2015 Centers for Disease Control and Prevention Comportamental Risk Factors Surveillance System. Nós comparamos o número de dias de saúde mental auto-referida ruim entre indivíduos que se exercitaram e aqueles que não fizeram, usando um procedimento de correspondência não paramétrico exato para equilibrar os dois grupos em termos de idade, raça, sexo, estado civil, renda, nível de instrução, categoria índice de massa corporal, saúde física autorreferida e diagnóstico prévio de depressão. Examinamos os efeitos do tipo de exercício, duração, frequência e intensidade usando métodos de regressão ajustados para possíveis fatores de confusão e realizamos múltiplas análises de sensibilidade.

Resultados

Os indivíduos que se exercitaram tiveram 1,49 (43,2%) dias a menos de saúde mental ruim no último mês do que os indivíduos que não se exercitaram, mas foram condizentes com várias características físicas e sociodemográficas (W = 7,42 × 10 10 , p <2,2 × 10 -16 ). Todos os tipos de exercícios foram associados a uma menor carga de saúde mental (redução mínima de 11,8% e redução máxima de 22,3%) do que não se exercitarem (p <2,2 × 10 -16 para todos os tipos de exercícios). As maiores associações foram vistas por esportes coletivos populares (22,3% mais baixos), ciclismo (21,6% menor) e atividades aeróbicas e de ginástica (20,1% menor), além de durações de 45 min e freqüências de três a cinco vezes por semana.

Interpretação

Em uma grande amostra norte-americana, o exercício físico foi significativa e significativamente associado à carga de saúde mental autorreferida no último mês. Mais exercício nem sempre foi melhor. Diferenças em função do exercício foram grandes em relação a outras variáveis ​​demográficas, como educação e renda. Tipos específicos, durações e freqüências de exercício podem ser alvos clínicos mais eficazes do que outros para reduzir a carga de saúde mental e merecer estudo intervencionista.

O fenofibrato progride lentamente a doença renal em DM2?

  • Em pacientes com diabetes tipo 2 (DM2), o fenofibrato parece prevenir a albuminúria incidente e diminuir o declínio da taxa de filtração glomerular estimada (TFGe), mas não tem efeito sobre a incidência de doença renal crônica (DRC) ou insuficiência renal.

Por que isso importa

  • Diabetes é a principal causa de DRC.

Design de estudo

  • Análise post-hoc do  ACCORD Lipid Trial , que randomizou 5518 pacientes com DM2 para sinvastatina (por exemplo, Zocor), além de fenofibrato ou placebo.
  • No início do estudo, 36% tinham DRC (TFGe <60 mL / minuto / 1,73 m 2ou relação albumina / creatinina na urina> 30 mg / g).
  • Financiamento: NIH.

Resultados chave

  • Após múltiplos ajustes para fatores de confusão (comorbidades, fatores específicos de rins, medicamentos, etc.), a eGFR declinou mais lentamente com o fenofibrato em comparação ao placebo (inclinação −0,28 vs −1,25 mL / minuto; P <0,001).
  • Durante o acompanhamento médio de 4 anos, o grupo fenofibrato teve menor risco de microalbuminúria incidente, tanto na análise não ajustada (HR, 0,62; P <0,001) como ajustada (HR, 0,56; P <0,001).
  • O risco de macroalbuminúria não diferiu na análise não ajustada, mas sim após o ajuste para fatores específicos do rim (HR, 0,66; P <0,001).
  • Nenhuma diferença estatística detectou nos riscos para DRC incidente (HR, 0,92; P = 0,46) ou insuficiência renal (HR, 0,95; P =, 76).

O ibuprofeno aumenta o risco de pressão arterial pós-parto elevada sustentada na pré-eclâmpsia grave?

  • Os fármacos antiinflamatórios não esteróides (AINEs) na pré-eclâmpsia grave ou com hemólise, testes elevados de função hepática e síndrome de baixa plaquetas (HELLP) não aumentam a duração da hipertensão no pós-parto.

Por que isso importa

  • O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas sugere evitar AINEs em mulheres com hipertensão pós-parto devido à preocupação teórica da hipertensão sustentada.
  • A preocupação com a dependência de opiáceos levou ao desejo de prescrever menos narcóticos, limitando as opções de medicação para dor nas mulheres pós-parto. 

O melanoma ocorre após nevos pré-existentes ou novos?

Uma revisão sistemática incluiu 38 estudos de coortes e de caso-controle e demonstrou que MMs parecem surgir a partir de lesões novas em 70,9% dos casos em comparação com 29,1% a partir de nevos pré-existentes. Após a excisão, MMs surgidos de lesões novas são em média 0,4%¨mais espessos, o que resulta em um prognóstico menos favorável para este importante critério.

Fonte:

Pampena R et al. A meta-analysis of nevus-associated melanoma: Prevalence and practical implications. JAAD2017; 77 (5), páginas 938-945.e4. DOI:  http://dx.doi.org/10.1016/j.jaad.2017.06.149 .

Opções novas para a hipercolesterolemia familiar homozigótica?

A hipercolesterolemia familiar homozigótica (HF) é uma doença rara caracterizada por níveis significativamente elevados de colesterol das lipoproteínas de baixa densidade (low density lipoprotein, LDL), aterosclerose acelerada e um risco extremamente elevado de eventos coronários desde a juventude.  Os indivíduos afetados podem ser verdadeiros homozigotos, com mutações em ambos os alelos do mesmo gene ou, mais comumente, heterozigotos compostos com mutações diferentes em cada alelo do mesmo gene, ou heterozigotos duplos com mutações em dois genes diferentes afetando a função receptora de LDL.1

A aférese de lipoproteína e a estatina representam o alicerce do tratamento.1 Contudo, mesmo com tratamentos adicionais, incluindo evolocumabe, lomitapida e (somente nos EUA) mipomersen, os pacientes raramente atingem o objetivo de colesterol LDL, com impacto na esperança de vida e na qualidade de vida dos pacientes. Existe claramente a necessidade de opções terapêuticas adicionais. Os agentes novos debatidos na Clinical Latebreaker Session na terça-feira forneceram evidência preliminar com tratamentos emergentes.

Em um estudo de comprovação do conceito, evinacumabe (REGN1500), um anticorpo monoclonal humano contra a proteína 3 tipo angiopoietina (ANGPTL3), produziu uma diminuição substancial nos níveis de LDL-C em quatro pacientes com HF homozigótica. De acordo com o autor principal, o professor Daniel Gaudet (Universidade de Montreal, Canadá)"Estamos em uma era muito entusiasmante para a pesquisa da HF homozigótica, com novas terapias emergindo de conhecimentos genéticos. Tal como no caso de PCSK9, a justificativa para o desenvolvimento de um anticorpo monoclonal novo específico para ANGPTL3 tem sido motivada por linhagens familiares que mostraram que indivíduos com mutações de perda de função de ANGPTLS tinham níveis de colesterol LDL inferiores."

Osteoartrite do joelho com derrame: qual a eficácia dos vários tratamentos medicamentosos?

Resposta comentada

Um estudo prospetivo pequeno comparou a eficácia da espironolactona àquela de ibuprofeno, compressas frias duas vezes ao dia e um placebo (todos administrados em 15 dias) em 200 pacientes e mostrou que a reabsorção completa e parcial do derrame pode ser mais comum com espironolactona (66% e 20%) do que ibuprofeno (24% e 12%), compressas frias (28% e 14%) e placebo (6% e 10%).

PA diastólica na hipertensão: quão baixo é muito baixo?

  • Em pacientes com hipertensão, mas sem diabetes, acidente vascular cerebral ou insuficiência cardíaca, a pressão arterial diastólica para ≤55 mmHg aumenta o risco cardiovascular (CV).

Por que isso importa

  • Este estudo utilizou dados do estudo SPRINT , o que levou a alguns limiares controversos de hipertensão em novas diretrizes.
  • Pesquisadores já relataram que os participantes do estudo SPRINT com menos doenças cardiovasculares basais tiveram mais danos do que benefícios de pressão sistólica abaixo de 130 mmHg. 

Pode-se melhorar a absorção de ferro oral?

Dois estudos clínicos pequenos, abertos, randomizados e controlados exploraram essas questões usando ferro radiomarcado: no primeiro estudo, a administração de uma dose única de 60 mg de ferro em dias alternados esteve associada a uma melhora significativa da absorção total e fracionada de ferro em relação à administração diária após duas e quatro semanas de tratamento, respectivamente. O segundo estudo não revelou diferenças nestes dois desfechos entre a dose diária única e a mesma dose dividida em duas doses.

Fonte:

Iron absorption from oral iron supplements given on consecutive versus alternate days and as single morning doses versus twice-daily split dosing in iron-depleted women

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2352302617301825

Por que ainda não estamos mais perto de tratar depressão e ansiedade na prática de cardiologia clínica?

As comorbidades psicológicas são comuns em pacientes com doença cardíaca isquêmica (IHD) e outras doenças cardiovasculares, como doença arterial periférica, fibrilação atrial e cardiomiopatias, com até 20% de pacientes que sofrem de depressão e / ou ansiedade. 1 Não apenas um diagnóstico clínico, mas também os níveis sub-limítrofes têm implicações prognósticas, uma vez que a depressão é uma barreira para o gerenciamento apropriado dos fatores de risco, aumenta o risco de não adesão, recusa ou abandono da reabilitação cardíaca, readmissão e morte prematura apesar do estado- tratamento de arte. 24 Infelizmente, a depressão e a ansiedade tendem a ser negligenciadas e mal tratadas em pacientes cardíacos, 56 , embora a depressão sozinha em pacientes cardíacos adicione um custo extra de 33% em comparação com pacientes sem depressão. 7 Tanto o IHD 8 como a depressão 9 , 10 estão associados a um alto fardo econômico e estarão entre os 10 principais contribuintes para o fardo da doença em todo o mundo em 2020. 11 ,

Progressão da doença da artéria carótida contralateral: as estatinas fazem alguma coisa?

  • Apesar de mais pacientes usando estatinas e agentes antiplaquetários, as taxas de progressão da doença após a endarterectomia carotídea (CEA) na artéria carótida contralateral parecem comparáveis ​​às taxas há uma década.

Por que isso importa

  • Estudos mais antigos encontraram uma taxa de progressão de 10% a 40% da progressão aterosclerótica da carótida contralateral após CEA, mas poucos pacientes tomaram estatinas ou agentes antiplaquetários.
  • A habilidade de Statins para retardar a aterosclerose está sendo questionada.

Quais pacientes estão em maior risco para DM2 relacionada à estatina?

  • Os níveis de glicose devem ser particularmente cuidadosamente monitorados após o início das estatinas em pacientes normotensos e mulheres.

Por que isso importa

  • O risco de diabetes tipo 2 de início recente (DM2) está listado na rotulagem de estatinas, mas não está claro quem está em maior risco.  

Design de estudo

  • Populao do estudo: 40.164 adultos do programa de rastreio de sae da Coreia do Sul, incluindo 55,7% de utilizadores de estatina, 31,2% com hipertens de linha de base, seguido por mia de 7,7 anos.
  • Financiamento:Fundação Nacional de Pesquisa da Coréia.

Resultados chave

  • Incidente DT2 foi desenvolvido em 7,6% e 5,7% dos usuários e não usuários de estatina, respectivamente (P = 0,045), com HR de 1,66 (P <0,001) após ajustes multivariáveis.
  • O uso de estatina aumentou significativamente o risco de DM2 apenas em pacientes normotensos (HR, 1.31; P = .0039) e não em hipertensos (1.18; P = .114).
  • Nos homens, o uso de estatina não foi associado à nova DM2 (HR, 1,19; P =, 101) mesmo após o ajuste para a mudança de colesterol, enquanto nas mulheres a associação foi significativa (1,80; P <0,001).
  • Nos homens, o uso de estatina não foi associado com DT2 entre os pacientes hipertensos (HR, 1,18; P = 0,274), mas aumentou significativamente o risco entre os homens normotensos (1,61; P <0,001).
  • O uso de estatinas foi associado ao aumento do risco de DM2 em mulheres normotensas (HR, 1,76; P <0,001) e hipertensas (1,32; P = 0,030).

Qual a eficácia do fenofibrato na prevenção da gota em pacientes com diabetes tipo 2?

Foi notificada uma redução de 20,2% no ácido úrico no plasma após 6 semanas de fenofibrato

fundo

A gota é um distúrbio doloroso e é comum no diabetes tipo 2. O fenofibrato reduz o ácido úrico e reduz os ataques de gota em pequenos estudos de curto prazo. Se o fenofibrato produz reduções sustentadas nos ataques de ácido úrico e gota é desconhecido.

Métodos

No ensaio de Intervenção e Redução de Fenofibrato no Diabetes (FIELD), os participantes com idades entre os 50 e os 75 anos com diabetes tipo 2 foram aleatoriamente designados para receber fenofibrato co-micronizado 200 mg uma vez por dia ou placebo correspondente durante uma média de 5 anos seguidos. acima. Fizemos uma análise post-hoc de ataques de gota registrados no estudo e concentrações de ácido úrico no plasma de acordo com a alocação do tratamento. Os resultados desta análise foram alterações nas concentrações de ácido úrico e risco de ataques de gota no estudo. O estudo FIELD está registrado com ISRCTN, número ISRCTN64783481.

Qual o nível do seu conhecimento sobre hiperprolactinemia?

A única afirmação correta aqui é que a hiperprolactinemia pode ser causada por hipotireoidismo primário. Hiperprolactinemia pode ser causada por medicamentos, pode resultar em osteoporose e pode reduzir a libido tanto em homens quanto mulheres.

Referência

Kumar and Clark’s Clinical Medicine 9a edição. Publicado pela Elsevier 2016, página 1194.

Quantas pessoas as novas diretrizes de hipertensão AHA / ACC afetarão?

  • As diretrizes do American Heart Association (AHA) / American College of Cardiology (ACC) recentemente liberadas   ampliaram a captura diagnóstica de hipertensão em adultos, reduzindo o teto sistólico normal da PA de 140 para 130.
  • Este estudo indica que, de acordo com essas diretrizes, a prevalência de hipertensão é agora de 45,6% dos adultos dos EUA, acima de cerca de um terço anteriormente.
  • No entanto, como a maioria dos pacientes com a categoria de hipertensão menos severa será recomendada para fazer mudanças de estilo de vida antes de se mudar para medicamentos, o aumento naqueles que tomam anti-hipertensivos não será tão íngreme.
  • Aqueles que já estão tomando anti-hipertensivos podem precisar de intensificação para atingir alvos mais baixos.
  • Quanto você sabe sobre miocardiopatia hipertrófica?

    Resposta comentada

    Este é um quadro clínico hereditário autossômico dominante que ocorre com a mesma incidência em homens e mulheres. Seus sintomas de palpitação e síncope poderiam estar associados a este quadro clínico, especialmente com seu histórico familiar, e ele deve ser avaliado por um cardiologista, com interesse na área, o quanto antes. Muitas pessoas diagnosticadas com este quadro clínico apresentam, na verdade, um prognóstico favorável e a expectativa de vida é boa e normal para alguns. A fibrilação atrial está comumente associada à miocardiopatia hipertrófica.

    Referência

    Braunwald’s Heart Disease. A textbook of cardiovascular medicine, 10.ª edição, volume 2, capítulo 66, página 1574.

    Quão útil é o ecocardiograma para avaliar o remodelamento ventricular esquerdo na regurgitação mitral?

    ecocardiografia do Dr. Silvestre Nicolas-Franco tornou-se uma ferramenta por excelência para o diagnóstico e tomada de decisão no manejo da regurgitação mitral.O objetivo da avaliação ecocardiográfica deve incluir a quantificação da regurgitação mitral, analisando os mecanismos envolvidos, bem como avaliar as consequências na função e na geometria do ventrículo esquerdo (VE). O ecocardiograma é a técnica de imagem de escolha no seguimento de pacientes com insuficiência mitral que foram submetidos a intervenções terapêuticas, tanto para avaliar o sucesso destes como para avaliar seu impacto na geometria e função do VE.

    Quão importante é o controle glicêmico para desfechos cardiovasculares?

    • As reduções associadas à empagliflozina nos resultados cardiovasculares (CV) foram consistentes nos níveis de HbA1c antes e durante o tratamento.
    • A glicemia pode ser menos importante do que outros fatores de risco CV nos desfechos de pacientes com diabetes tipo 2 (DM2) e doença cardiovascular estabelecida (DCV).

    Por que isso importa

    • A DCV é a principal causa de morte na DM2.

    Design de estudo

    • No ensaio EMPA-REG OUTCOME envolvendo 7020 doentes com DT2 e com DCV estabelecida, a empagliflozina reduziu em 14% os eventos CV adversos maiores de 3 pontos (composto de enfarte do miocárdio não fatal, acidente vascular cerebral não fatal e morte por CV).
    • No presente estudo, os resultados foram estratificados pela HbA1c basal após ajuste para o controle glicêmico (HbA1c <7,5%; sim / não) durante o estudo.
    • Financiamento: Boehringer Ingelheim; Eli Lilly e Company Diabetes Alliance.

    Resultados chave

    • As reduções nos riscos de morte CV, hospitalização por insuficiência cardíaca (IC) e hospitalização por IC ou morte por CV com empagliflozina vs placebo foram consistentes nas categorias basais da HbA1c.
    • Após a semana 12, o benefício da empagliflozina na morte CV (HR global, 0,64) não diferiu pela redução da HbA1c, com P = .280, .260 e .175 para reduções de HbA1c de 0,5% ou 0,3% ou a mediana.  
    • Para hospitalização por IC (redução de 0,70 com empagliflozina total), esses valores de P foram 0,538, 0,576 e 0,632, respectivamente.

    Síncope decorrente de embolia pulmonar: é comum?

    Uma análise retrospectiva de cinco bancos de dados administrativos, que incluiu dados de mais de 1,6 milhões de pacientes não selecionados que compareceram ao pronto-socorro com síncope entre 2000 e 2016, revelou que a prevalência de EP variou entre 0,06% e 0,55% para todos os pacientes e entre 0,15% e 2,10% para os pacientes hospitalizados subsequentemente. Estas estimativas são significativamente menores em relação às de um estudo italiano recente (Prandoni P, et al. N Engl J Med 2016; 375:1524).

    Fonte:

    Prevalence of Pulmonary Embolism in Patients With Syncope

    Sintomas de Chikungunya?

    A maioria dos indivíduos infectados com chikungunya desenvolve sintomas de início agudo de febre (> 39 ° C; 102 ° F) e poliartralgia bilateral, simétrica e grave. Outros sintomas que são menos comuns incluem dor de cabeça, mialgia, artrite, conjuntivite, náusea / vômito e erupção maculopapular. Os sintomas geralmente resolvem em 7-10 d. 

    Sintomas, Diagnóstico e Tratamento. Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Https://www.cdc.gov/chikungunya/symptoms/. Atualizado em 6 de abril de 2017

    Terapêutica antiplaquetária única ou dupla após TAVR?

    • Após a substituição valvar aórtica do transcatéter (TAVR), a terapia dupla antiplaquetária (DAPT) não parece prevenir acidente vascular cerebral, infarto do miocárdio (MI) ou morte versus terapia antiplaquetária única (SAPT), mas as taxas de sangramento são maiores.
    • Esta conclusão concorda com o julgamento ARTE (Aspirina versus aspirina + Clopidogrel após transplante de válvula aórtica).
    • Ensaios pendentes podem oferecer uma melhor visão; por enquanto, os autores sugerem evitar DAPT em pacientes com maior risco de hemorragia, considerando o curso de 1 mês para outros.

    Por que isso importa

    • O acidente vascular cerebral complica até 10% dos TAVRs.
    • Recomendações para pós-TAVR DAPT surgem de evidências limitadas.

    Um paciente idoso com fadiga, você pode aconselhar?

    Resposta comentada

    Em um paciente idoso, um sintoma não específico como a fadiga terá um amplo diagnóstico diferencial e precisará de uma ponderação considerável. Insuficiência cardíaca, apneia do sono obstrutiva e depressão são causas possíveis, além de também poder ser induzida por medicamentos. Entretanto, é errado tentar atribuir de início os sintomas diretamente à idade, e você deve tentar identificar uma causa subjacente, se possível. Ele precisará de um histórico cuidadoso e de exame físico, além de investigações apropriadas.

    Referência

    Brocklehurst’s Textbook of Geriatric Medicine and Gerontology. Publicado pela Elsevier 8.ª edição (2016), página 208.

    Uma única dose de corticosteroides de baixa dose para dor de garganta: uma boa ideia?

    Resposta comentada

    Uma revisão sistemática incluiu 11 estudos clínicos randomizados (1.400 pacientes) e mostrou que a adição de uma única dose baixa de corticosteroide (p. ex., ≤ 10 mg de dexametasona) aumenta significativamente a proporção de sujeitos sem dor após 24 e 48 horas (22% vs. 10% e 61% vs. 43%, respectivamente) em comparação a apenas o tratamento padrão. É importante notar que a adição de corticosteroides não está associada a uma maior incidência de complicações e efeitos adversos.

    Vitamin D: how much is too much?

    Explanation

    People should not consume more than 4000 IU vitamin D per day, according to a 2011 Institute of Medicine report. Excessive intake of vitamin D can cause hypercalcemia and other adverse effects. Vitamin D supplementation has increased in the last several decades, and the number of people taking more than 4000 IU/d has increased from 0.1% in 1999-2000 to 3.2% in 2013-2014. The recommended daily amount is 600 IU/d for most people ages 1-70 y, and 800 IU/d for those ≥71 y.

    Rooney MR, et al. JAMA. 2017;317(23):2448-2450. doi: 10.1001/jama.2017.4392. Ross AC, et al. 

    AINDA ESTÁ COM DÚVIDAS? ENVIE A SUA DÚVIDA E EM BREVE ENTRAREMOS EM CONTATO